Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Setembro/2016 - Hidromel Alfheim

Salve, medievalistas e apreciadores de hidromel!


Este é o terceiro artigo da nossa seção de hidroméis, na qual procuramos experimentar e falar de um hidromel brasileiro por mês, sempre acompanhado de um prato de culinária medieval. E o hidromel do mês de Setembro é o Alfheim, de Cachoeirinha/RS!

Nunca bebeu hidromel? Não faz ideia do que se trata? Não tem problema, nós explicamos: o hidromel é uma bebida alcoólica derivada da fermentação do mel com água (e possivelmente a bebida alcoólica mais antiga do mundo, anterior à cerveja e ao vinho). Veja nosso artigo onde contamos um pouco da história e curiosidades sobre esta maravilhosa bebida.


O Alfheim, hidromel que experimentamos este mês, é produzido na região de Cachoeirinha, na Grande Porto Alegre (RS), há mais de dez anos, segundo os produtores.


Como foi a experiência


Para o prato que acompanharia o hidromel deste mês, decidimos experimentar algo exótico e escolhemos coelho, um animal já domesticado no mínimo desde a Roma antiga (diferente da lebre, que nunca foi domesticada), e que continuou a ser consumido na Europa continental durante toda a Idade Média (nas ilhas da Bretanha, foi introduzido apenas após a conquista normanda).


Então, para acompanhar o Alfheim, preparamos nosso coelho assado com cebolas e vinho condimentado, ou seja, um coelho da forma como chegaria na mesa de um nobre medieval. A carne de coelho dificilmente chegava às mesas camponesas, mas um viajante que capturasse um coelho ou lebre poderia prepara-lo de forma bem mais simples na fogueira.

(se você joga Dungeons & Dragons, seu mestre provavelmente já narrou que você capturou uma lebre como resultado de um de seus testes de sobrevivência, hehehe)


Ao abrirmos a garrafa do Alfheim tradicional, antes mesmo de provarmos, notamos a primeira característica: o aroma de mel se faz bastante presente. No paladar, contudo, o gosto de mel é bem mais sutil do que o aroma sugere, sem presença de doçura ou licorosidade.


A coloração é bem dourada e não há grande carbonatação.


A outra variedade do Alfheim que provamos é um metheglim, ou seja, um hidromel feito com adição de ervas ou especiarias, no caso a romã, que confere uma coloração avermelhada e viva ao hidromel. No paladar, o Alfheim com romã tem presença mais marcante e ainda menos presença do mel.


De forma geral, as duas variedades do Alfheim que provamos são de sabor forte e sem presença de doçura. Recomendamos para os paladares que valorizam um hidromel mais seco e com menos reminiscências dos açúcares originais do mel.


No nosso caso acabou havendo um contraste entre a carne do coelho, que é suave, e o Alfheim, que é um hidromel forte. Isto nem de longe prejudicou a experiência, contudo recomendamos aos que pretendam experimentar o Alfheim que harmonizem com um prato mais forte e salgado, como carne de porco.

Dados Técnicos


O Alfheim é produzido com mel silvestre (ou seja, proveniente de diversas flores, e não de uma flor específica), e fermentado durante cerca de 21 dias, antes amadurecer de 5 a 8 meses em barris de carvalho.


É utilizada uma levedura europeia importada específica para produção de hidromel. Os demais ingredientes são apenas água mineral e mel silvestre, com adição de suco de romã (Punica Granatum) na versão metheglin. A marca Alfheim produz também um outro metheglin “Tipo Dunkel Ervas Negras”, que não experimentamos dessa vez, mas com certeza experimentaremos numa próxima.

A graduação alcoólica é de 12% para o Tradicional e 14% para o metheglim de romã.

(informações fornecidas pelo produtor)

O valor da garrafa (750ml) é atualmente R$ 43,00, mas os produtores estão fazendo uma promoção especial para os leitores do Cena Medieval: na hora de encomendar, informe que você leu e curtiu este artigo sobre o Alfheim, e eles farão o preço de R$ 38,00!

Página do Alfheim no facebook:


E você, já experimentou o Alfheim? Deixe nos comentários a sua opinião sobre este hidromel!


Veja também aqui no Cena Medieval:


O Hidromel, nosso artigo contando um pouco da história e curiosidades desta bebida

E confira os artigos anteriores de nossa coluna de hidroméis brasileiros:

Hidromel Bee Gold, de Sorocaba/SP (Julho)

Hidromel Velho Oeste, de Xanxerê/SC (Agosto)

2 comentários:

  1. Skald faça uma resenha do triple Horn e do Hidromel Odin, na minha opinião os melhores que já provei em terras brasilis.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Juju! O Triple Horn é excelente mesmo. Estou apenas esperando eles me mandarem as garrafas (talvez seja o hidromel deste mês ainda...)
    O Odin eu não conhecia, mas já vou entrar em contato com a marca! Obrigado pela dica :)

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre este artigo