Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

sábado, 22 de abril de 2017

Diários de Produção – Nosso Primeiro Hidromel! Parte I

Salve, medievalistas e apreciadores de hidromel!

Depois de falarmos de tantos hidroméis aqui no Cena Medieval, a maioria dos quais é produzida de forma bem artesanal pelos hidromeleiros brasileiros, decidimos que era hora de termos a nossa própria experiência com a produção dessa maravilhosa bebida.


Usamos uma receita bem simples, já testada e utilizada há bastante tempo por nosso amigo Danilo Dark, que nos guiou nessa brincadeira. Não é necessário nenhum equipamento especial nem ingredientes exóticos, então você pode tentar reproduzir em casa se quiser!

 Uma pergunta interessante que se pode fazer é por que há tantos produtores de hidromel por aí, e ao mesmo tempo por que a bebida ainda é tão desconhecida. Acontece que o que a maior parte desses produtores faz é o que em inglês se chama de homebrewing, que é a produção caseira e artesanal em pequena escala, geralmente para consumo próprio, não comercial.

O homebrewing, por sinal, era a regra nos tempos antigos. Com o advento da industrialização e do estilo de vida modernos a prática perdeu força, mas nas últimas décadas temos visto uma crescente revalorização das coisas artesanais, e o homebrewing agora está na moda.

Essa moda é bem mais forte com a cerveja, mas valoriza também a produção artesanal de outras bebidas alcoólicas, como o hidromel.

Uma produção caseira pode ser extremamente refinada e complexa. Há quem invista em equipamentos caros e sofisticados. No nosso caso, por ser a primeira vez, decidimos fazer da forma mais simples possível.

Ingredientes e equipamentos:


1 litro de mel puro
4 litros de água mineral
1 sache de chá preto
1 laranja (pode ser uma laranja bahia para hidromel mais ácido ou duas laranjas lima para mais doce)
1 limão Haiti
10 gramas de fermento biológico para pães (úmido, não o seco)

1 panela grande
1 garrafão para deixar a mistura fermentando
1 canudo de plástico rígido ou vidro, que deve ser intorduzido em uma rolha


Preparo:


Primeiro fervemos a água e separamos em duas partes, deixando 2 litros na panela e reservando os outros 2 para depois. Na panela, adicionamos o sache de chá, o mel e o suco da laranja e do limão.


Levamos ao fogo alto e, quando começou a ferver, baixamos a temperatura, mantendo por mais 30 minutos no fogo, mexendo com colher de pau.


Depois dessa primeira meia hora, retiramos o sache de chá, adicionamos o resto da água e deixamos no fogo sem mexer por mais 30 minutos, tomando o cuidado de não deixar a mistura ferver de novo.

E depois desse segundo tempo, desligamos o fogo e retiramos a borra que fica por cima do caldo.


É hora então de acrescentar o fermento e misturar bem, mas sem chacoalhar. Com isso está finalizado o mosto, e podemos colocar num garrafão onde a coisa deverá fermentar por umas três semanas.



Super importante


Conforme o fermento se alimenta do açúcar do mel, ele gera álcool e gás, que aumentam a pressão dentro da garrafa, de forma que a tampa do recipiente precisa de alguma forma deixar esse gás sair, mas de preferência sem deixar nada de fora entrar (nem ar).


É possível comprar um airlock em lojas especializadas, mas também dá pra improvisar uma válvula hidráulica. No nosso caso, atravessamos a rolha do garrafão com um canudo de vidro e deixamos a ponta de fora num copinho com água. Enquanto houver bolhinhas de ar saindo pelo canudo, sabemos que a fermentação ainda está acontecendo.


O ideal é deixar o mosto fermentando num local seco e escuro, como o interior de um armário, e checar eventualmente se está tudo ok.


Observações finais


Como dissemos, essa receita e método de produção é o mais simples (e barato) possível. Produtores caseiros mais experientes usam leveduras específicas, compradas no mercado especializado, cujos resultados são muito mais previsíveis e complexos. É possível usar leveduras próprias para cerveja, próprias para vinho e há até leveduras específicas para produção de hidromel, embora sejam mais raras, e cada uma delas gera um resultado completamente diferente.

É possível também adquirir equipamentos que facilitam e refinam a produção, como o airlock que mencionamos e recipientes fermentadores domésticos. Mas recomendamos deixar isso para um momento posterior, quando você tiver mais experiência (até porque o investimento nesses equipamentos pode ser alto).

Pra começar, um garrafão de vinho bem lavado e o fermento biológico para pães (do tipo que você acha no mercado) já são suficientes.

Acabou não cabendo tudo no garrafão, então colocamos o resto nessas garrafinhas
Daqui a três semanas, faremos a segunda parte deste post, relatando o processo de filtragem, que será bem simples. Usaremos coadores simples de papel ou pano.

Até lá!


Veja também aqui no Cena Medieval:


O Hidromel, nosso artigo contando um pouco da história dessa fantástica bebida

Primeira Taça Paulista de Hidromel, nosso relato desse importante acontecimento, nas palavras de Luiz Felipe, da página Pompéia Hidroméis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário sobre este artigo