Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

terça-feira, 21 de junho de 2016

Resenha da VI Folk Fair

Fotos por Sergio Scarpelli

Hail, amigos!

Neste domingo, 19 de Junho, rolou em Osasco, SP, a sexta edição da Folk Fair, evento organizado pela equipe OZanime. O local foi, como sempre, o Centro de Eventos Pedro Bortolosso.


Cerca de duzentas pessoas comparecerem ao longo do dia, atraídas principalmente pelas bandas que tocariam no evento, como Taberna Folk e Confraria da Costa.

Pelo número da edição, alguém poderia pensar que o evento já existe há seis anos, mas na verdade a primeira Folk Fair aconteceu em fevereiro de 2014, e desde então a festa tem acontecido cerca de duas vezes por ano.

O ponto forte do evento são sempre as atrações musicais. Além da excelência musical do Taberna Folk, presente em quase todas as edições até hoje, o evento já teve anteriormente apresentações de grupos como Olam Ein Sof, Taverna e até Tuatha de Danann, o maior nome do Folk Metal nacional.

Os portões abriram às 11h da manhã e quem entrava no evento podia dar uma curta passeada pelas tendas de expositores. O nome do evento, cuja tradução é Feira Popular, poderia sugerir que o foco é a feira temática, mas infelizmente houve nessa edição uma quantidade bem reduzida de estandistas. Havia nomes de qualidade e conhecidos no meio, como a Adit Medieval, a Felicity e a Taverna de Odin, mas que pareciam isolados no grande galpão.



A primeira atração, ao meio-dia, foi a apresentação da banda Eldhrimnir, de Santa Isabel (SP), cuja melhor definição do som segundo os próprios integrantes é um “Acoustic Folk”. Trata-se de um grupo novato na cena folk, formado em 2015, mas que fez uma apresentação carismática e animada, com canções autorais de temáticas variadas, como pirata, paganismo,  adoração à natureza e bebedeira, ou seja, um caldeirão eclético.



Do lado de fora do galpão, havia o estande da Arquearia Valphenda (pertencente à própria organização da Folk Fair), onde os convidados podiam atirar 5 flechas por R$ 5,00.


Havia basicamente duas opções de alimentação: uma grande tenda de comidas orientais do lado de fora do galpão, e a tenda do pessoal da Taverna de Odin do lado de dentro, com algumas opções temáticas, como o delicioso sanduíche de carne de javali e repolho roxo, perfeitamente harmonizado com molho de mostarda e mel (R$ 22,00).


A Turma do Gavião, iniciativa de educação animal e interação animal assistida, trouxe duas magníficas aves que receberam atenção do público e posaram para inúmeras fotos:



A segunda atração musical, às 14h, foi o Bando Celta, de Porto Alegre (RS), um grupo fundado em 2013 “que se reúne com o intuito de tocar músicas folclóricas de várias culturas com irreverência e contato com o público, entre elas a Celta e a Irlandesa”. Foi mais uma apresentação bem animada, a despeito do público reduzido.



Draumur entrou às 15h30, e como sempre reuniu praticamente todo o público do evento para ver sua apresentação. E no final, como de costume, o grupo ensinou uma dança para os convidados, que dessa vez  foi Strip the Willow, uma dança tradicional escocesa em que homens e mulheres formam duas fileiras paralelas e giram com seus pares enquanto avançam pelo corredor que é formado.



Veja nosso artigo contando mais sobre o Draumur.

Logo depois, houve a tradicional apresentação de combate medieval com os guerreiros do grupo Ordo Draconis Belli.



Veja nosso artigo contando mais sobre a Ordo Draconis Belli.

Pouco antes das 17h, entrou no palco a banda Confraria da Costa, formada em Curitiba (PR) em 2010. Como o nome já sugere, trata-se de um grupo de Rock Pirata, com letras sobre pilhagens, motins, bebedeiras e aventuras. O som é algo bem inusitado, mas me lembrou um pouco Matanza, especialmente na voz rouca do front-man.



Em seguida, assistimos a apresentação do Nomadic Tribal Fusion.


Às 19h30 finalmente começou a apresentação do Taberna Folk, atraindo para perto do palco quase todos no evento. E faça chuva ou sol, com grande ou pequeno público, sabemos que o show dos taberneiros é sempre divertido e de qualidade.


E no fim, o publico se juntou a eles para uma última foto:


Veja nosso artigo contando mais sobre o Taberna Folk.

Paralelamente, dentro do espaço da Folk Fair, aconteceu durante todo o dia a primeira edição do Joga Osasco, evento organizado pelo grupo homônimo, “que visa criar uma maior interação entre os jogadores de jogos de tabuleiro, card game e RPG na cidade de Osasco/SP”. Houve mesas de RPG e boardgames disponíveis, era só sentar e jogar.


Enfim, o evento terminou por volta das 20h30, após a apresentação do Taberna Folk.

Como dissemos no início, o forte são as atrações musicais. O valor do ingresso (R$ 40,00 antecipado e R$ 60,00 na porta) compensou para ver 4 excelentes atrações musicais no palco, além de outras performances de grupos do meio medieval como Draumur e Ordo, mas a feira estava bem pequena e não havia muitas outras atrações que dessem conta de entreter de fato o público. Isso se reflete na quantidade de convidados, que reduziu bastante em relação às edições anteriores.

Em compensação, em novembro, nos dias 05 e 06, acontecerão duas edições especiais da Folk Fair com presença inédita no Brasil da banda alemã Faun, um dos maiores nomes de música folk no mundo. No primeiro dia, o show será na Clash Club, e São Paulo, e haverá abertura da banda Taverna (Belo Horizonte, MG) e do Taberna Folk (Cosmópolis, SP). No segundo dia, será no Centro de Eventos Pedro Bortolosso, em Osasco (o mesmo onde acontecem todas as edições regulares da Folk Fair), e a abertura ficará novamente por conta do Taberna Folk e do Terra Celta (Londrina, PR).
Ansiosos? Nos vemos por lá!

*Todas as fotos deste artigo são de Sérgio Scarpelli, fotógrafo experiente que registra a maioria dos eventos de temática medieval no estado de São Paulo.

3 comentários:

  1. Fui pela primeira vez de Santos. Adorei o som das três primeiras bandas,ou seja, todas que vi. Gostei também da comida e da feirinha. Minhas críticas (construtivas) são o local e a cidade. Talvez sirvam bem para o pessoal que frequenta, mas para mim ficou difícil. O último onibus para Santos de Osasco sai às 19h30 e a rodoviária do local é horrível. Não pude ver o Ats e a Taverna Folk, que queria muito. Talvez devesse começar antes. Cheguei às 11h30 e entrei porque os portões estavam abertos. Então a organização tirou as pessoas que chegaram cedo (porém dentro do horário) do interior e nos colocou em uma fila no sol do lado de fora por pelo menos 30 minutos até montar a "bilheteria" que era somente duas mesas de plástico. Na minha opinião seria bom se começasse às 10 e fosse perto de alguma estação de metrô em São Paulo.

    ResponderExcluir
  2. Senti falta de comentarem ai sobre as arenas do Darastrix Swordplay, que sempre é um grande divertimento do evento.

    ResponderExcluir
  3. Não pude ir na Folk Fair do meio do ano porque estava internado no hospital, mas essa de novembro eu posso estar com câncer terminal, foda-se! Não perco Faun por nada nessa vida *u*

    ResponderExcluir

Deixe o seu comentário sobre este artigo