Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Resenha da Oenach na Tailtiu 2016: Uma imersão em antigas tradições celtas

No último final de semana, dias 09 e 10 de julho, rolou mais uma edição da Oenach na Tailtiu.


Trata-se de uma festa de temática celta com o intuito de “reviver antigos costumes e as famosas feiras de Lughnasah na Irlanda”, e é o evento mais imersivo que temos hoje na cena.

O Lughnasah (ou Lughnasadh) é um antigo festival da cultura gaélica (nativa dos povos ancestrais da Irlanda, Escócia e Ilha de Man) que marca o início da temporada de colheita. O nome é em homenagem ao herói e divindade celta Lugh. Na mitologia gaélica Irlandesa pré-cristã, o festival teria sido criado por Lugh como banquete funerário e competição atlética em honra a sua mãe, Tailtiu, que morreu de exaustão após limpar as planícies da Irlanda para agricultura. Os jogos fúnebres em honra a Tailtiu recebiam o nome de Óenach Tailten (de onde deriva o nome do evento que presenciamos) e supostamente foram realizados até o começo do século XII, quando foram extintos pela invasão normanda.


Dessa forma, como dissemos, a Oenach na Tailtiu visa reviver os antigos costumes de Lughnasah na Irlanda, especialemente as oeanch, onde os clãs se encontravam para competir e festejar juntos. Ou seja, a motivação do evento não é especificamente medieval, mas da forma como acontece, é um grande e heterogêneo encontro de clãs, que por sua vez englobam diversas culturas.



Pela segunda vez, o evento foi realizado no camping Escola dos Escoteiros do RJ, na cidade de Magé. A compra do ingresso possibilitava a participação em todas as atividades do evento e a degustação do banquete que foi oferecido ao longo do dia. A cerveja não estava incluída no valor do ingresso, mas havia excelentes qualidades de cerveja à venda, incluindo algumas produzidas pelos próprios organizadores da festa.




Vários elementos na festa contribuíam para que houvesse uma grande imersão.

O banquete, servido ao longo do dia, tinha pães, queijos, frutas, conservas, nozes, bolos, tudo em qualidade e fartura. Em alguns momentos do dia foram servidos também carnes e deliciosos cozidos, retirados diretamente dos panelões aquecidos por fogueiras na área do evento.








A decoração das tendas e da área de jogos também era muito bem-feita, e era completada pelos próprios convidados da festa, que estavam todos devidamente caracterizados – não precisava ser nada muito complexo, mas nada de calça jeans e camiseta!




O número de convidados do evento é bem reduzido, se comparado a outros eventos do meio – pouco mais de cem pessoas em cada um dos dois dias. Isso proporciona um cenário intimista, em que você pode transitar entre os grupos e clãs presentes e ter contato com praticamente todas as pessoas da festa.



E quem adquiriu ingresso para os dois dias pôde acampar no local (era necessário levar a própria barraca), sendo esse talvez o maior elemento de imersão, pois na noite de sábado (primeiro dia), cada uma das clareiras abrigou um pequeno acampamento, cada um com sua própria fogueira, conversa e cantoria, e qualquer um podia transitar entre elas, aproveitando de tudo um pouco. E no domingo de manhã, os acampamentos acordavam para ver o evento recomeçando, com o banquete sendo servido novamente e os jogos e atividades sendo retomados.





Houve oficinas de montagem de cota de malha, de gaélico antigo, de preparação de bolos, de dança irlandesa, entre outras. Os jogos incluíam arco e flecha, arremesso de lança e uma gincana de coleta de itens pelo acampamento.






Uma equipe de adestradores de aves de rapina trouxe alguns de seus animais para fazer demonstrações e posar, como sempre, para inumeras fotos com os convidados.


Dentro do clã Oenach na Tailtiu há também uma banda chamada Tailten, que fez apresentações nos dois dias de evento. O repertório deles é composto basicamente de músicas tradicionais irlandesas.






O clima durante o final de semana inteiro foi de diversão e entrosamento entre as pessoas no evento, que na prática foi um grande acampamento imerso em tradições celtas, num cenário bucólico e com um toque épico.

Enfim, pensem num evento organizado com carinho e dedicação nos mínimos detalhes: essa é a Oenach na Tailtiu. A edição do ano passado teve a chuva como grande problema (o que por sinal é um problema para quase qualquer acampamento), impedindo que algumas das atividades fossem realizadas. Mas este ano as preces do druida do clã foram atendidas e os deuses garantiram dois dias de tempo firme e sol quente, e noites frescas que convidaram as pessoas a se reunirem em volta das fogueiras.

Esteve por lá? Nos conte o que achou do evento!

Veja também aqui no Cena Medieval:




5 comentários:

  1. Adorei, realmente um evento bastante convidativo por ser simples e com poucos participantes. Na verdade, uma reunião entre amigos, deve ser por isso que você esteja com saudades...
    Quem sabe participaremos em um próximo.
    A resenha ficou ótima e consegui imaginar e sentir como foi. As fotos também ficaram com ótima qualidade mostrando um pouco de tudo.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente maravilhoso,encantada.
    A cena tem crescido no Brasil,isso é muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Que maravilhoso. Tinha lido algumas referências sobre, mas nenhuma com tanto profundidade deve ter sido ótimo encontro sob o som da natureza pena que não temos com frequência em bh. Só nas proximidades e raramente.

    ResponderExcluir
  4. Como faço para participar no próximo (2017)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo indica que a Oenach passará por novo hiato em 2017, voltando talvez em 2018. Mas entre em contato com os organizadores do evento pela página no facebook... talvez sabendo que há interessados eles se animem a fazer outra edição ainda este ano ;)

      Excluir

Deixe o seu comentário sobre este artigo