Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

quarta-feira, 28 de março de 2018

Diários de um Arqueiro: 01 – Primeiros Equipamentos

Salve, medievalistas!

Vamos falar de arco-e-flecha, outro dos (muitos) temas que eu sempre tive vontade de tratar aqui no Cena Medieval. Recentemente comecei a praticar e, empolgado, resolvi começar uma nova série de posts sobre o assunto.


Este primeiro post é destinado a quem, como eu, tá começando ou quer começar. Se você já é veterano, não vai ver nada que já não saiba, mas sinta-se livre pra dar sua opinião nos comentários.

O arco-e-flecha é uma atividade muito associada ao medievalismo. Em qualquer evento de temática medieval como os que tratamos aqui no site, um estande de arquearia, por mais modesto que seja, é presença quase obrigatória e sempre gera grandes filas. Odisseu, Robin Hood, Legolas, Hank, Merida, enfim... a fantasia e as lendas tão cheia de personagens que romantizam a arquearia, e todo mundo quer ter o gostinho, nem que seja por cinco minutos.

Depois de muito ensaiar e enrolar, finalmente comprei meu primeiro arco. O máximo que eu tinha de experiência com arco e flecha se resumia a atirar de vez em quando em eventos ou em bares como WilliWillie, então essa está sendo uma experiência nova para mim, mas uma experiência muito bacana, que vou tentar registrar aqui para talvez incentivar outras pessoas a fazerem o mesmo.

Nesse primeiro post vou listar os equipamentos que eu já adquiri e o que estou achando de cada um.

O Arco


O arco que eu adquiri para começar essa aventura é um Wayne Modelo Recurvo de 45 libras, empunhadura em madeira ipê e lâminas em aço, fabricado pela Comanche Arco e Flecha, uma loja de São Roque/SP.


Os motivos para eu ter escolhido esse arco como meu primeiro são: preço (razoável, pelas minhas pesquisas), fabricação nacional (acho bacana valorizar) e o fato dele ser desmontável, o que certamente facilitará muito quando eu precisar transportá-lo.

Para desmontar o arco, basta desarmar a corda e retirar esses parafusos com uma chave Allen

Até agora está me parecendo que foi uma escolha muito boa. A libragem deve ser escolhida com cuidado - eu peguei um arco de 45 libras, que segundo o fabricante é o limite do indicado para um homem iniciante. Para uma mulher, provavelmente 30 libras ou menos seja melhor.

As Flechas


Numa pesquisa rápida você vai perceber que existe uma enorme variedade de tipos de flecha, feitas de diferentes materiais, com diferentes espessuras, comprimentos, etc. O fabricante do meu arco recomenda flechas de 8mm de espessura, entre 75 e 80 cm de comprimento, de qualquer material.

Espessuras: esquerda 8mm, centro 8mm e direita 7mm

Tendo isso em mente, encomendei 10 flechas de madeira de um fabricante em Pernambuco, pelo Mercado Livre, e mais um pacote de 12 flechas de fibra de carbono de um fabricante chinês, pelo AliExpress. Todas de 8mm de espessura.

Além dessas, a aljava que eu comprei também veio com 6 flechas de fibra, mas estas de 7mm. Não são o tipo ideal para o meu arco pois podem acabar entrando no vão da pena, mas podem ser usadas sem maiores problemas. A principal diferença delas em relação às flechas mais grossas é que são mais rápidas.

Nas minhas cabaçagens dos primeiros dias de treino, acabei acertando algumas vezes a parede, e nesse teste de força as flechas de fibra se provaram um pouco mais resistentes (vou fazer um post depois só com as impressões sobre os diferentes tipo de flecha).


Mas na minha opinião as flechas de madeira ainda são mais legais, mesmo sendo mais frágeis, mais pesadas e portanto mais lentas. Por serem de madeira e terem uma pegada mais rústica, mais "tradicional" na medida do possível, as flechas de madeira dão um tesão a mais na hora de praticar.

Dedeira e braçadeira


Nos primeiros dias, quando essas paradas ainda não haviam chegado, pratiquei sem esses acessórios, e depois de 2 dias meus dedos da mão direita (que fazem a puxada) já estavam meio destruídos, impossibilitanto que eu desse mais de 20 tiros sem ter que parar pra descansar.


Achei que fosse frescura, mas a dedeira faz uma diferença enorme. Depois que comecei a treinar com ela senti que estava finalmente aproveitando 100% da potência do arco, além de melhorar demais minha estabilidade e mira.



Já a braçadeira está sendo uma parada mais relativa. Sem braçadeira eu tendo a fazer uma ligeira curva com a mão esquerda (que segura o arco), e como cada centímetro faz uma diferença enorme, isso exige que eu faça uma considerável correção na mira. Já quando eu uso a braçadeira, posso deixar o braço bem mais reto, sem medo da corda machucar, e isso melhora a precisão da mira.


Ou seja, minha impressão inicial é que é bem possível praticar sem a braçadeira, fazendo essa ligeira curva com a mão pra corda não machucar o braço, mas aí é necessário estar sempre corrigindo a mira.

Comprei esse conjunto de dedeira e braçadeira também pelo AliExpress, a marca é XIAOYUEGULANG. O material informado na descrição é couro de vaca, mas pelo tato parece ser sintético. De toda forma, atende muito bem ao propósito.

A Aljava


Esse item dispensa explicações sobre sua conveniência. É um saco ter que ficar pensando onde colocar as flechas, ficar abaixando pra pegar no chão, etc. Fora o fato de que, se você está treinando para aperfeiçoar a precisão da mira, qualquer centímetro no seu posicionamento faz diferença, e uma aljava permite ficar parado exatamente no mesmo lugar, com os pés plantados no chão e sem tirar os olhos do alvo, entre um tiro e outro.


Essa aljava da marca Vixion (modelo AC-MM) eu comprei pelo Mercado Livre. Como mencionei antes nesse post, ela veio com 6 flechas de fibra de carbono de 7mm de expessura.

Os Alvos


Depois de pesquisar um pouco, decidi que a melhor opção era fazer um alvo com tatames de EVA. Por sorte, além de um ótimo espaço no corredor lateral da minha casa, eu também já tinha um suporte de cadeira de balanço pendurado no teto, que serviu melhor do que a encomenda como suporte para os alvos - bastou uma pequena adaptação com barbante trançado.


Há tatames de diferentes tamanhos e espessuras. Não querendo correr riscos, optei pelos maiores disponíveis (1m X 1m e 4cm de espessura), e comprei 2. Por sinal, essas paradas são mais caras do que eu imaginava – paguei 75,00 em cada um. No começo juntei os dois com fitas enforca-gato em todas as faces para fazer um alvo bem resistente, mas depois constatei que não era necessário. Uma placa de EVA dessas de 4cm de espessura já é o suficiente pra segurar a flecha, desde que seja colocada a uma distância razoável da parede.


E pra dar um gostinho especial nos treinos, a Renata desenhou uns monstros de D&D que ficaram sensacionais:

Mais legal que um singelo Bull's Eye, hehehe

Conclusão


A vontade é de ficar o dia inteiro atirando, mas o tempo e o risco de uma tendinite não permitem.

Até agora, o custo da brincadeira foi o seguinte:

R$ 360,00    arco + duas flechas de fibra de vidro (8mm)
R$ 138,50    dez flechas de madeira (8mm)
R$ 60,00      doze flechas de fibra de vidro (8mm)
R$ 25,47      braçadeira e dedeira
R$ 150,00    dois tatames de EVA para fazer os alvos
R$ 168,00    aljava + 6 flechas de fibra de vidro (7mm)
____________________________________________

R$ 901,97     Total

(todos esses valores já incluindo os fretes)

Um dos dinheiros mais bem gastos dos últimos tempos pra mim, mas já dá pra ver que não é uma brincadeira barata. Se você também está começando, dê uma boa pesquisada, na internet tem de tudo por variados preços e qualidades.

A parafernalha inteira

Se você também tá começando, deixe aqui seus comentários ou dúvidas. E se você é um arqueiro mais experiente e leu esse post até o final, fique a vontade para dar dicas, pitacos, sugestões ou críticas! A discussão é sempre bem vinda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário sobre este artigo