Apoiadores:

Apoiadores:
Apoiadores: Hidromel Old Pony

sábado, 13 de agosto de 2016

Resenha do I Banquete dos Reinos: Danças palacianas, bardos com gaitas de fole e carne de javali!

Fotos por Sérgio Scarpelli
Salve, medievalistas!

No último sábado, 06 de Agosto, aconteceu em São Paulo a primeira edição do Banquete dos Reinos, o mais novo evento do meio medieval.


A proposta era transportar os convidados ao clima de um banquete medieval, com comida, bebida, danças palacianas e música folk e épica para animar.


Como anunciei no meu post de divulgação, o evento aconteceu no andar de cima do Paradiso, enquanto no andar de baixo o bar funcionava normalmente. O local foi escolhido graças ao ambiente que já é natural de lá: uma fachada em formato de castelo, com interior rústico e aconchegante (não conhece o Paradiso? Dê uma olhada no nosso artigo sobre o local).


Ao subir as escadas, os convidados já encontravam a mesa posta com os pães e patês da entrada, enquanto um bobo da corte fazia brincadeiras e os bardos do Jornada Ancestral enchiam o ambiente com o poderoso som de suas gaitas de fole.





O Jornada Ancestral é um grupo itinerante formado em 2011, em Curitiba (PR), com o intuito de fazer apresentações em eventos folk e medievais, tais como o Jantar Medieval Taberna Folk. Originalmente recebendo o nome de Gaiteiros de Curitiba e tendo diversos músicos convidados, o grupo valoriza em seus arranjos o toque ancestral das gaitas de fole. O repertório é uma mistura de música antiga, medieval, tradicional galaica, folclore pan-europeu e música celta.

A vestimenta medieval acabou não sendo obrigatória, mas mesmo assim muitos dos convidados preferiram ir devidamente caracterizados para colaborar com o clima.








Os garçons também estava devidamente caracterizados
A caneca oficial do evento estava à disposição por R$ 25,00, já estando incluída nesse valor a primeira dose de vinho ou suco de uva (400ml). As próximas doses custavam R$ 10,00.

No valor do convite estava incluída a degustação de uma dose do hidromel Lord, cujo produtor estava presente na festa com garrafas à disposição por R$ 45,00.



Houve um pouco de atraso no cronograma, pois a organização tentou na medida do possível esperar que todos os convidados que adquiriram convite chegassem, mas em nenhum momento os convidados já presentes ficaram sem entretenimento.

Rafael Pelosi, organizador do evento, agradecendo pela presença de todos

O segunda parte do banquete foi sopa de cebola, e logo depois, antes que o prato principal fosse servido, o Draumur dominou a área entre as mesas e fez sua apresentação. Nesse dia eles fizeram uma seleção de danças mais palacianas, para combinar com o clima do banquete. E no final, chamaram os convidados para aprender uma coreografia e ter a oportunidade de dançar no banquete.



A coreografia ensinada foi uma das variações da Ungareska, uma dança húngara do século XV. Assim como outras coreografias históricas, essa pode ser executada em corredor ou em círculo. Na versão circular que foi ensinada aos convidados no Banquete, as pessoas mudavam sempre de parceiro ao longo da música. Tal característica é muito presente em diversas danças medievais e renascentistas, pois permite que todos os dançarinos da festa se cumprimentem.


E por fim, o prato principal: carne de Javali acompanhada de purê de batatas. Observação: a batata não existia na Europa medieval, de modo que a sua inclusão no prato é uma concessão moderna, mas obviamente harmonizou muito bem com a carne de javali.


Aliás, toda a comida servida no evento foi de qualidade excepcional – créditos à cozinha do Paradiso, que ficou responsável pelo preparo de tudo.

Muitos reis por metro quadrado... altas chances de rolar uma Guerra dos Tronos...
Enfim, foi um belo evento. Além da excelente comida, as danças palacianas do Draumur e o som acústico e ao vivo do Jornada Ancestral proporcionaram uma imersão bem bacana. Nós do Cena Medieval, que acompanhamos a produção do evento desde o início, parabenizamos a organização e torcemos para que essa edição seja a primeira de muitas.

Esteve por lá? Nos conte o que achou!

*Todas as imagens deste artigo são de Sérgio Scarpelli, fotógrafo oficial do evento.

Veja também aqui no Cena Medieval:


Draumur, Os Sonhadores – nosso artigo sobre o grupo de dança

Primeiro Banquete dos Reinos – nosso artigo de divulgação, com nossas expectativas sobre o evento

2 comentários:

  1. Adoraria ter estado nesse banquete. Será que vai haver uma edição dele no Rio de Janeiro ou adjacências?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana... como o organizador é de São Paulo, creio que ficaria difícil pra ele... mas deixe essa sugestão lá na página do evento no face... quem sabe no futuro não seja viável, né? :)

      Excluir

Deixe o seu comentário sobre este artigo